AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS TOTAIS NA BACIA DO RIO PARAOPEBA APÓS RUPTURA DA BARRAGEM I – BRUMADINHO

  • Stella Braga de Andrade
  • Vítor Lages do Vale
  • Aloysio Portugal Maia Saliba
  • Nilo de Oliveira Nascimento
Palavras-chave: Sólidos totais. Paraopeba. Barragem I. Barragem de Rejeito.

Resumo

A ruptura da Barragem I da Mina Córrego do Feijão ocorreu no dia 25/01/2019 e trouxe ao rio Paraopeba grande quantidade de rejeitos que alteraram significativamente a concentração de sólidos totais deste curso d`água. Imediatamente após o colapso dessa estrutura o IGAM, CPRM, COPASA e VALE iniciaram monitoramentos diários de diversos parâmetros de qualidade de água, dentre eles a concentração de sólidos totais (CST). Contudo, a bacia do rio Paraopeba, devido ao seu uso e ocupação, é uma bacia com diversas fontes de sólidos, de forma que se observa na análise dos dados significativas variações da CST entre as estações de monitoramento.  Para melhor avaliação da CST analisou-se 60 km do rio Paraopeba, divididos em 6 trechos, no período entre 30/01/2019 a 31/03/2019. Para fins de interpretação da interferência da ruptura da Barragem I na CST da bacia, os dados dos pontos de monitoramento considerados neste estudo foram comparados aos dados da série histórica do primeiro trimestre dos últimos 10 anos, tanto das estações de monitoramento do IGAM ao longo do rio Paraopeba, quanto com as estações localizadas nos principais afluentes. Essa comparação demonstrou que, a 50 km da confluência, a mediana da série é similar a mediana da série histórica da estação posicionada a 1,7 km a jusante. Observou-se ainda que neste ponto os atuais valores máximos observados entre final de fevereiro e final de março de 2019 são inferiores aos valores da série histórica observados para o principal afluente do trecho, o rio Betim.

Biografia do Autor

Stella Braga de Andrade

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Vítor Lages do Vale

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Aloysio Portugal Maia Saliba

Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Nilo de Oliveira Nascimento

Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Referências

ANA – Agência Nacional de Águas. Relatório de segurança de barragens 2017. Brasília: ANA, 2018. 168 p.

CPRM – Serviço Geológico do Brasil. Monitoramento Especial da Bacia do Rio Paraopeba-Relatório IV. Belo Horizonte: CPRM, 2019. 97p.

FISRWG (FEDERAL INTERAGENCY STREAM RESTORATION WORKING GROUP). Stream corridor restoration: principles, processes, and practices. FISRWG: Natural Resources Conservations Service(USDA),1998.637 p.

IGAM – Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Informativo n°51. Belo Horizonte: IGAM, 2019. 190 p.

LEMPHERS, N. Could the Hungarian tailings dam tragedy happen in Alberta? Pembina Institute, 2010. Disponível em: < https://www.pembina.org/blog/417>. Acesso em: 15 maio 2017.

PINTO, C. C., ANDRADE, S. B., PINTO, E. A., OLIVEIRA, S. M. Trend analysis of the load and concentration of physical, chemical and biological parameters in the Verde River Basin. RBRH, Porto Alegre, v. 22, e40, 2017

RICO, M., BENITO, G. e DÍEZ-HERRERO, A. Floods from tailings dam failures. Journal of hazardous materials, v. 154, n.1, p. 79-87, 2007.

WISE URANIUM PROJECT. World Information Service on Energy. [s.n]. Disponível em: . Acesso em: 01 de junho 2019.
Publicado
2019-12-17