AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE POLUENTES DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIO POR MEIO DE JARTEST

  • Charles da Silva Alvim
  • Rosângela Francisca de Paula Vitor Marques
Palavras-chave: Tratamento de efluentes. Método físico-químico. Teste de jarros

Resumo

A indústria de laticínios tem como principal aspecto ambiental a geração de efluentes líquidos industriais originários do processo de processamento do leite. O volume de efluente gerado pela indústria de laticínio varia entre 1 a 10 litros para cada 1.000 litros de leite e possui alto potencial poluidor ao ambiente. Objetivou-se neste trabalho avaliar a eficiência de remoção de poluentes pelo tratamento físico –químico, por meio de teste de jarros (jartest)  em uma indústria de laticínio de grande porte. Para tanto, realizou-se o teste de jarros compacto analógico de três provas graduado com capacidade de 1.000 mL cada com controle de velocidade do rotor até 250 rpm. Para os ensaios foi utilizado o Policloreto de Alumínio (PAC) com composição e teor (Al203) entre 18 a 24%, nas concentrações de 0,5, 1,0, e 1,5 ml e para a floculação foi utilizado polímero aniônico na concentração de 2, 5 e 8 ml. Para a correção do pH foi utilizada cal virgem. Repetiu-se a analise após a obtenção das melhores concentrações de PAC e polímero aniônico. Posteriormente foi realizado análise no efluente bruto e tratado das seguintes variáveis: pH, temperatura, DQO, sólidos suspensos, sólidos sedimentáveis, óleos e graxas e turbidez e comparou-se com legislação DN/COPAM CERH 01/2008. Pelo teste de jarros observou-se eficiência do tratamento de efluentes de laticínios pelo método físico-químico quanto ao atendimento à legislação. Ressalta-se que para uma melhor verificação seria necessário a implantação de um sistema de tratamento físico químico e o monitoramento do efluente em escala real.

Biografia do Autor

Charles da Silva Alvim

Gestor Ambiental, mestrando em Sustentabilidade e Recursos Hídricos na Universidade Vale do Rio Verde (UNINCOR),

Três Corações, MG, Brasil

Rosângela Francisca de Paula Vitor Marques

Doutora em Recursos Hídricos em Sistemas Agrícolas, professora da Universidade Vale do Rio Verde (UNINCOR),

Três Corações, MG, Brasil

Referências

APHA standard methods: for examination of water and wastewater. 21th ed. Baltimore: APHA, AWWA, WPCP, 2005.

AZZOLINI, J.C.; FRINHANI, E.M.D.; FABRO, L.F. Águas industriais: controle físico-químico e biológico do efluente e medida da eficiência do tratamento na agroindústria.Unoesc & Ciência– ACET, Joaçaba, v. 2, n. 1, p. 7-18, jan./jun. 2011. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acet/article/view/721/pdf_140. Acesso em: 20ago. 2019.

BRAZIL. CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357, de 17 de março de 2005, do Conselho.

CAVALCANTI, J. E. Manual de tratamento de Efluentes Industriais. São Paulo: Engenho Editora Técnica Ltda, 2009. 453p.

CECHETTI, M. P. Análise técnica da estação de tratamento de efluentes de uma indústria de laticínios. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Faculdade de Engenharia e Arquitetura, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo/RS.

Favaretto, D. P. C; BRIÃO, V. B.; COLLA, L. M.; HEMKEMEIER, M. Análise técnica do processo de tratamento de efluentes de empresa de laticínios da região de Passo Fundo/RS. Revista CIATEC, vol.7. n.2, 18-30, 2015

LEMOS, M.S.; MATOS, L.N.; FLORIDO, P.L.; LACERDA, J.A.S.; YOKOYAMA, L. Estudo da influência de polímeros catiônicos e aniônicos na clarificação de efluente da produção de biodiesel. In: Congresso ABES-FENASAN 2017, São Paulo, SP. Anais[...] São Paulo: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental & Associação dos Engenheiros da Sabesp, p.1-8. Disponível em: https://www.tratamentodeagua.com.br/ wp-content/uploads/2018/12/II-504.pdf. Acesso em: 19 mar. 2019.

MOLOSSI, J. Pós-tratamento físico-químico de efluente de laticínio para remoção de fósforo. 2013. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Engenharia e Arquitetura, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo/RS.

MINAS GERAIS. Conselho de Política Ambiental-Conselho Estadual de Recursos Hídricos do Estado de Minas Gerais ( COPAM/CERH-MG). Deliberação Normativa COPAM/CERH-MG nº 01, de 05 de maio de 2008. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Publicação – Diário do Executivo – “Minas Gerais” – 13/05/2008); Retificação – Diário do Executivo – “Minas Gerais” – 20/05/2008). Disponível em: http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=8151 Acesso em 20ago. 2019.

NUNES, J. A. Tratamento Físico-Químico de Águas Residuárias Industriais.3ª ed. Aracaju: Gráfica e Editora Triunfo, 2001. 273p.

SARAIVA, C.B.; MENDONÇA, R.c.S.; SANTOS, A.L.; PEREIRA, D.A.Consumo de água e geração de efluentes em uma indústria de laticíniosRev. Inst. Latic. “Cândido Tostes”, n.367/368, v.64, p.10-18, mar/jun, 2009. Disponível em: https://www.revistadoilct.com.br/rilct/article/viewFile/75/81. Acesso em: 02 ago. 2019.

VON SPERLING, M. Introdução à Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos: Princípios do tratamento biológico de águas residuárias. V.1,3.ed. Belo Horizonte: DESA-UFMG, 452p. 2005.
Publicado
2019-12-17