PROPOSTA DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO DESCENTRALIZADO A PARTIR DA CARACTERIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUÁRIAS DA FAZENDA EXPERIMENTAL DA UNINCOR, TRÊS CORAÇÕES – MG

  • Luana Ferreira Mendes
  • Rosângela Francisca de Paula Vitor Marques
  • Eliana Alcantra
Palavras-chave: Vazão de aguas residuárias. Variáveis qualitativas Águas residuárias. Relação DQO/DBO.

Resumo

As águas residuárias são oriundas das atividades domésticas e/ou institucionais e apresentam características em função dos usos à qual a água foi submetida. Este trabalho teve como objetivo caracterizar quantitativamente e qualitativamente as águas residuárias da Fazenda Experimental da UninCor, em Três Corações/MG e propor um sistema de tratamento decentralizado. Assim, realizaram-se visitas “in loco” para observar as atividades diárias desenvolvidas pelos usuários e sua frequência visando identificar quantitativamente as águas residuárias, conforme NBR 7229/1993, a vazão em L.dia-1. Das atividades observadas, tem-se águas residuárias proveniente do uso de vasos sanitários, lavatórios, cozinha, máquina de lavar, limpeza em geral e do centro cirúrgico do hospital veterinário, que apresentam um elevado teor de carga orgânica em função da grande quantidade de sangue e do alto teor de gorduras. A amostra para caracterização qualitativa das águas residuárias foi coletada e analisada em laboratório conforme os procedimentos estabelecidos no Standart of methods” (APHA, 2005). As variáveis avaliadas foram matéria orgânica (DBO5 e DQO), pH, turbidez, condutividade elétrica, cloretos e amônia.  Foi quantificada uma vazão de 1.500 L/dia de efluentes da Fazenda Experimental da UninCor. Sendo que, para o tratamento desses efluentes e, de acordo com os resultados para caracterização qualitativa a relação DQO/DBO apresentou valor de 1,77, viabilizando-se a proposição de um tratamento biológico para estas águas residuárias. Conclui-se após a caracterização quantitativa e qualitativa que o tratamento das águas residuárias da Fazenda UninCor será por um sistema descentralizado, por de meio de tanque séptico seguido de wetlands.

Biografia do Autor

Luana Ferreira Mendes

Mestranda em Sustentabilidade e Recursos Hídricos pela Universidade Vale do Rio Verde (UninCor), Três Corações, MG, Brasil

Rosângela Francisca de Paula Vitor Marques

Doutora em Recursos Hídricos em Sistemas Agrícolas, professora da Universidade Vale do Rio Verde (UNINCOR), Três Corações, MG, Brasil

Eliana Alcantra

Doutora em Entomologia, professora da Universidade Vale do Rio Verde (UNINCOR), Três Corações, MG, Brasil

Referências

APHA. American Public Health Association. Standard methods for the examination ofwater and watwater, 21st ed. Washington, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7229: projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos. Rio de Janeiro, 1993.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS: NBR 9898:preservação e técnicas de amostragem de efluentes líquidos e corpos receptores. Rio de Janeiro, 1987.

BRASIL. Agência Nacional de Segurança Sanitária. Resolução ANVISA RDC Nº 50/2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Brasília, DF. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

BRASIL. Agência Nacional de Segurança Sanitária. Resolução ANVISA RDC Nº 306/2004. Dispõe sobre o regulamento técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília, DF. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Dez 10; Sec. 1:49.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução Conama nº 358, de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Brasília, DF. Diário Oficial da União nº 84, de 4 de maio de 2005; Seção I, p. 63-5.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria dos Recursos Hídricos. Plano Nacional de Recursos Hídricos. Panorama e Estado dos Recursos Hídricos do Brasil. Brasília: MMA, 2006c. V. 1.

HO, G. Technology for Sustainability: the role of onsite, small and community scale technology. Water Science & Technology, v. 51, n. 10, p. 15 – 20, 2005.

MASSOUD, M. A, TARHINI, A., NASR J. A. - Decentralized approaches to wastewater treatment and management: Applicability in developing countries. Journal of Environmental Management 90, 2009.
METCALF, L.; EDDY, H. P., Wastewater Engineering: Treatment, Disposal and Reuse. New York, McGraw-Hill, 4th ed., 1334 p., 2003.

RODRÍGUEZ, L. B. El tratamiento descentralizado de aguas residuales domésticas como alternativa sostenible para el saneamento periurbano en Cuba. Ingeniería Hidráulica y Ambiental, vol. XXX, nº. 1, 2009.

ROELEVELD, K. K.; ZEEMAN, G.. Anaerobic treatment in decentralized and source-separation-based sanitation concepts. Springer. Reviews in Environmental Science and Bio/Technology. v. 5, p. 115-139, 2006.

TREIN, Camila Maria et al. Tratamento descentralizado de esgotos de empreendimentos comercial e residencial empregando a ecotecnologia dos wetlands construídos. Ambient. Constr., Porto Alegre, v. 15, n.4, p. 351-367, Dec. 2015. Available from . access on 29 May 2018.

VON SPERLING, Marcos. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 4. ed. Belo Horizonte : Editora UFMG, 2014.
Publicado
2019-12-17