ANÁLISE DA CORRELAÇÃO DO VOLUME DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROVENIENTES DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM O PRODUTO INTERNO BRUTO PARA OS MUNICÍPIOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS

  • Marianne Silvestre Teixeira Almeida
  • Marília Carvalho de Melo
  • Matheus Dumont Boareto
  • Ramiro Machado Rezende
Palavras-chave: Resíduos Sólidos; Construção Civil; Destinação; Reciclagem.

Resumo

O provimento de informações bem como a gestão de resíduos da construção civil (RCC) ainda é um desafio no Brasil e em Minas Gerais. O presente artigo aborda o universo da construção civil e o volume de resíduos gerados proveniente de sua atividade, e identifica se existe correlação entre o Produto Interno Bruto (PIB) e a quantidade de resíduos provenientes da construção civil (RCC) em municípios de Minas Gerais, bem como avalia se essa correlação é influenciada pelo tamanho da população. Para atingir os objetivos são utilizados dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) para informações sobre coleta de RCC e do PIB e população produzido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados levantados estão organizados em quatro grupos conforme população, e para os municípios que não informaram o volume de RCC foram desconsiderados da série histórica. Na sequência é avaliada a correlação entre a geração de resíduos e o produto interno bruto por meio de teste estatístico de correlação pela metodologia de Pearson.  Os resultados demonstraram uma correlação fraca entre o PIB e a geração de RCC para municípios até 50 mil habitantes e moderada para aqueles superiores a essa população. Quando considerados os valores médios por faixa populacional delimitada no presente estudo a correlação obtida foi muito forte.

Biografia do Autor

Marianne Silvestre Teixeira Almeida

Engenheira Civil especialista em Inovações Tecnológicas da Construção Civil, mestranda em Sustentabilidade em Recursos Hídricos pela Universidade Vale do Rio Verde (UninCor),

Três Corações, MG, Brasil

Marília Carvalho de Melo

Doutora em Engenharia Civil (Recursos Hídricos) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - COPPE, Professora Permanente da Universidade Vale do Rio Verde (UninCor), no programa de Mestrado Profissional Sustentabilidade em Recursos Hídricos, Três Corações, MG, Brasil

Matheus Dumont Boareto

Engenheiro Civil formado pela Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Varginha, MG, Brasil

Ramiro Machado Rezende

Doutor em Agronomia/Fitotecnia pela Universidade Federal de Lavras, Professor Permanente da Universidade Vale do Rio Verde (UninCor), no programa de Mestrado Profissional Sustentabilidade em Recursos Hídricos, Três Corações, MG, Brasil

Referências

BARROS, Arthur Bernardes et al. III-141- Análise da destinação final em áreas receptoras de resíduos da construção civil e volumosos no estado de minas gerais. Disponível em < file:///C:/Users/Usuario/Downloads/III-024.pdf> Acesso em: 10 nov. 2019.

BRASIL. Lei Federal nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 3 ago. 2010.

CARDOSO, Afrodite da Conceição Fabiana; GALATTO, Sergio Luis; GUADAGNIN, Mario Ricardo. Estimativa de Geração de Resíduos da Construção Civil e Estudo de Viabilidade de Usina de Triagem e Reciclagem. Revista Brasileira de Ciências Ambientais (Online), n. 31, p. 1-10, 2014. Dispível em < http://abes-dn.org.br/publicacoes/rbciamb/PDFs/31-03_Materia_1_artigos386.pdf> Acesso em: 10 nov. 2019.

COLVERO, Diogo Appel et al. Avaliação da geração de resíduos sólidos urbanos no estado de Goiás, Brasil: análise estatística de dados. Revista Engenharia Sanitária E Ambiental-RESA, v. 22, n. 51, p. 931-941, 2017.

FERNANDES, Maria da Paz Medeiros; SILVA FILHO, Luiz Carlos Pinto da. Um modelo orientativo para a gestão municipal dos RCCs. Ambiente construído: revista da Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. Porto Alegre, RS. vol. 17, n. 2 (abr./jun. 2017), p. 21-38, 2017. Disponível em < file:///C:/Users/Usuario/Downloads/1678-8621-ac-17-02-0021.pdf>

FERNANDEZ, J. A. B.; Diagnóstico dos Resíduos Sólidos da Construção Civil. Relatório de Pesquisa. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Brasília, 2012.

JOHN, Vanderley M.; AGOPYAN, Vahan. Reciclagem de resíduos da construção. Seminário Reciclagem de Resíduos Sólidos Domésticos, 2000. Disponível em

IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Produto Interno Bruto de 2018. Disponível em < https://sidra.ibge.gov.br/tabela>

MENDES, Claudiceia Silva. Desafios para a implementação de políticas públicas para o gerenciamento dos resíduos da construção civil. VI Jornada Internacional de Políticas Públicas. Universidade Federal do Maranhão, 2013.

MINAS GERAIS. Lei Estadual nº 14.128, de 19 de dezembro de 2001. Dispõe sobre a Política Estadual de Reciclagem de Materiais e sobre os instrumentos econômicos e financeiros aplicáveis a Gestão de Resíduos Sólidos. Diário do Executivo, Minas Gerais, 20/12/2011.

______. Lei Estadual nº 18.031, de 12 de janeiro de 2009. Dispõe sobre Politica Estadual de Resíduos Sólidos. Diário do Executivo, Minas Gerais, 13/01/2009.

PASCHOALIN FILHO, João Alexandre; DIAS, Antonio Jose Guerner; CORTES, Pedro Luis. Aspectos normativos a respeito de resíduos de construção civil: uma pesquisa exploratória da situação no Brasil e em Portugal. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 29, 2014. Disponível em < https://revistas.ufpr.br/made/article/view/32851/22443>

PINTO, Gilberto Júnior Ferreira et al. Geração de Resíduos Sólidos da Construção Civil–Métodos de Cálculo. In: VII Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Campina Grande/PB. 2016.
Publicado
2019-12-17